As mudanças contínuas nas características do perfil dos executivos procurados dificultam o processo de seleção; é preciso ser capacitado para alinhar talentos a necessidades das empresas.

Muitos são os desafios de uma empresa quando um espaço é aberto em sua equipe de colaboradores. Normalmente, o que se vê é o departamento de recursos humanos anunciando a vaga em sites e páginas especializadas, em redes sociais, administrando o volume gigantesco de CVs que irá receber, chamando os mais interessantes para uma entrevista e somente ali, de frente com o profissional, de fato conhecer suas qualidades, fraquezas e potencial de entrega.

Penso que esse caminho deve ser ao contrário. Ao invés de torcer para que o candidato encontre, por sorte ou por acaso, sua vaga, o ideal é que a empresa seja apresentada aos melhores talentos e que, melhor ainda, estes talentos já tenham sido submetidos a profundas avaliações em etapas que antecedem este encontro.

Possuir uma carreira na área de RH de grandes empresas antes de me tornar um recrutador de executivos me permitiu uma visão holística sobre os dois lados desse concorrido mercado. Os maiores casos de sucesso que pude acompanhar, de instituições que encontraram excelentes profissionais para posições estratégicas, foram com aquelas que escolheram investir e acreditar no trabalho de um headhunter que conhecesse verdadeiramente o seu setor de atuação, um especialista em descobrir os melhores talentos por meio de seu network e experiência profissional, o que lhe permite fazer uma ótima avaliação de potenciais candidatos.

Tão importante quanto encontrar um talento é avaliar como ele se encaixaria em sua empresa, o que se torna apenas um exercício de futurologia se feito sem profissionalismo. Analisando um banco de dados com inúmeros currículos, é sim possível encontrar cinco ou dez profissionais adequados para uma vaga, mas é muito provável que pouquíssimos deles se encaixem no perfil técnico, comportamental e até cultural da empresa, já que cada instituição possui suas características próprias, seus valores e perspectivas de curto, médio e longo prazos.

Grandes empresários e diretores têm como um de seus principais problemas os riscos que uma contratação mal conduzida ocasiona. Uma das dificuldades mais encontradas ultimamente, são as novas tendências em um ambiente de trabalho, com mudanças contínuas nas características do perfil dos executivos procurados, que hoje se diferem muito do que era buscado há 15 anos.

Por fim, vale lembrar que o maior ativo das empresas são seus colaboradores, portanto elas precisam dos melhores profissionais para enfrentar períodos de retração econômica. Ao contrário do que muitos pensam, entregar para uma rede de headhunters o trabalho de encontrar os melhores candidatos para sua empresa é sim uma forma de minimizar o tempo e reduzir custos, além de, claro, multiplicar a assertividade ao final de todo o processo, desde que todos os envolvidos sejam recompensados por seus bons trabalhos realizados.

Quando se quebra o paradigma da agressividade e competitividade, com uma conexão produtiva e estímulo à colaboração entre os que buscam e avaliam os melhores talentos, cria-se um ecossistema onde as empresas são as mais privilegiadas pois não só ampliam a abrangência de suas buscas, como, principalmente, aumentam a assertividade quando avaliam os potenciais profissionais para seus times.

Grande abraço,

Rafael Meneses co-fundador do d´hire, primeiro marketplace de executive search do Brasil a apostar na expertise e processo colaborativo entre headhunters.